O Comunicador

Grávidas que tomaram vacina de Oxford no RN só podem tomar 2ª dose 45 dias após o parto, orienta Sesap

Mais de 400 mulheres grávidas que tomaram a primeira dose da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 só poderão tomar o reforço do imunizante 45 dias após o parto, segundo recomendação da Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Norte.

Segundo a pasta, a recomendação é que as grávidas que já iniciaram a vacinação com a Oxford devem completar o esquema com o mesmo imunizante, porém só podem tomar a D2 após o puerpério – o período de 45 dias após o nascimento do bebê.

A orientação é criticada por gestantes como a advogada Thais de Fátima Souza Araújo, de 32 anos, que mora em Mossoró, tem hipertensão e tomou a primeira dose da vacina ainda nos primeiros meses de gestação, em maio. Pela recomendação publicada após a suspensão da vacinação com Oxford em grávidas, ela só poderia tomar a segunda dose em novembro.

“Para toda a população dizem : ‘tomem a segunda dose, não deixem de tomar a segunda dose, a segunda dose é muito importante para que você fique protegido’. Mas, para as grávidas, que somos um grupo de risco, com mortalidade materna altíssima, o que dizem para a gente? ‘Você não podem tomar a segunda dose’. Então nos assusta muito esse posicionamento tão omisso”, diz.

Advogada Thais Araújo, de 32 anos, tomou primeira dose da vacina de Oxford no dia 5 de maio e deveria tomar segunda dose em agosto. — Foto: Cedida

Advogada Thais Araújo, de 32 anos, tomou primeira dose da vacina de Oxford no dia 5 de maio e deveria tomar segunda dose em agosto. — Foto: Cedida

Nesta terça-feira (29), a Prefeitura do Rio autorizou que grávidas que tomaram a vacina da AstraZeneca contra a Covid na primeira dose recebam a da Pfizer na segunda aplicação. É a primeira capital brasileira a adotar a combinação de imunizantes.

AstraZeneca suspensa para grávidas

A AstraZeneca foi suspensa para gestantes após recomendação da Anvisa, em 10 de maio, para investigação sobre uma possível “reação adversa” em uma gestante. Logo após suspender a vacinação, o estado informou que aquelas gestantes que tomaram a primeira dose e não tivessem apresentado reação, poderiam tomar a segunda, mas a orientação foi modificada.

Ainda naquele mês, o Ministério da Saúde passou a recomendar a vacinação de grávidas com comorbidades com a CoronaVac e a Pfizer.

No Rio Grande do Norte, através de uma nota técnica publicada no fim de maio, a Sesap recomendou a vacinação com os outros imunizantes para as grávidas em geral, mas apontou que as grávidas que já tinham tomado a primeira dose da Oxford deveriam esperar.Estamos nos sentindo muito inseguras e abandonadas com essa decisão— Thais Araújo, gestante

A advogada Thais conta que não apresentou nenhuma reação à vacina de Oxford e tomaria a segunda dose do mesmo imunizante, se fosse oferecido para ela. Ela faz parte de um grupo de gestantes que tem se mobilizado nas redes sociais para buscar a aplicação da segunda dose dentro do prazo certo, seja da Oxford ou outra. “Nossa pauta não é escolha da vacina, mas a 2ª dose no prazo correto”, diz.

Ela diz que, entre as gestantes, também há profissionais de saúde, que engravidaram após tomar a primeira dose e também estão se arriscando, porque continuam trabalhando, mesmo sem o esquema vacinal completo.

“No meu caso, o fato de ter hipertensão já é um risco. E a própria gestação hoje é um fator de risco para a Covid. Estamos nos sentindo muito inseguras muito abandonadas com essa decisão”, diz.

*G1 RN


Postado em 29 de junho de 2021 - 19:37h

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *