O Comunicador

Assassino de Renata planejou crime em poucas horas, afirma Polícia Civil, vídeo


Vídeo do momento da prisão

Após ser preso na manhã desta quarta-feira (11), Paulo Roberto da Silva, de 36 anos, confessou ter matado a ex-companheira Renata Ranyelle, de 23 anos. A informação foi confirmada pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte, em coletiva de imprensa.

Após ser preso na manhã desta quarta-feira (11), Paulo Roberto da Silva, de 36 anos, confessou ter matado a ex-companheira Renata Ranyelle, de 23 anos. A informação foi confirmada pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte, em coletiva de imprensa.

De acordo com as investigações, o crime foi motivado por ciúme. O delegado Inácio Rodrigues, Diretor de Polícia Civil do Interior, explicou que o homem levou poucas horas para planejar e cometer o crime.

“No dia 22 [de novembro de 2019], a Renata foi fotografada com outro rapaz. No dia 23, ele recebeu a foto. E, no mesmo dia, ele cometeu o crime. Então, ele teve poucas horas para planejar”, afirmou Rodrigues.

Segundo a Polícia Civil, Paulo Roberto fugiu após perceber que o cerco das investigações estava fechando contra ele. A investigação aponta ainda que a fuga foi feita em um carro alugado por um amigo, que também será investigado. “Ele fugiu de carro e acreditamos que tenha chegado a São Paulo no dia 30 de novembro, ficando escondido até hoje”, acrescentou o delegado.

A data da chegada do acusado ao estado paulista aconteceu um dia após a morte da mulher, que ficou seis dias internada na luta pela vida.

Após a prisão, a Polícia Civil do Rio Grande do Norte ainda está realizando os processos para trazer Paulo Roberto para Natal.

Apoio

A Polícia Civil destacou ainda que o homem foi encontrado em um depósito de bebidas com mais duas pessoas, que são suspeitas de falsificação de documentos. “Eles também serão investigados por falsificação. Inclusive, o Paulo Roberto apresentou outro nome quando foi abordado pelos policiais”, comunicou a delegada geral de Polícia Civil, Ana Cláudia Saraiva.

Relembre o crime

A vendedora Renata Ranyelle Maciel de Almeida, de 23 anos, foi baleada no rosto dentro de uma loja em que trabalhava. Apesar de o tiro ter sido à queima-roupa, ela sobreviveu e foi levada ao hospital. No entanto, seis dias depois do crime, ela não resistiu e morreu na unidade hospitalar.

As imagens da câmera de segurança do estabelecimento mostraram o crime. Na ação, o homem invade o estabelecimento comercial com o rosto coberto por um capacete e pede o dinheiro e os objetos da vítima. Após a mulher entregar o que foi exigido, o criminoso efetua o disparo e foge.

*Fonte: Portal no Ar

Postado em 11 de dezembro de 2019 - 14:43h

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *