O Comunicador

Ibama vai investigar Volks e diz que escândalo é ‘gravíssimo’

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) decidiu abrir investigação contra a montadora de veículos alemã Volkswagen após o estouro do escândalo de fraude em testes de emissões de poluentes nos Estados Unidos.
O órgão ambiental afirmou em nota publicada no fim da quinta-feira que as acusações são um “caso gravíssimo” e poderá impor multa de até R$ 50 milhões contra a montadora e convocar um recall para corrigir o problema.
“O Ibama iniciou investigação para verificar se a fraude apontada nos EUA estaria sendo cometida no Brasil. A Volkswagen será notificada nesta sexta-feira a prestar esclarecimentos”, diz o órgão ambiental, sem dar mais detalhes. 

A Volkswagen admitiu na terça-feira ter equipado 11 milhões de carros em todo o mundo com um software de manipulação de dados de emissões de poluentes. O sistema reconhecia quando um carro estava sendo verificado em um centro de testes, mudando o motor para o modo de economia e injetando produtos químicos para reduzir as emissões, a fim de registrar nos testes resultados inferiores aos observados em condições normais de condução. 


O caso foi descoberto nos Estados Unidos, que também anunciaram a abertura de uma investigação penal.
No Brasil, o veículo de passeio a diesel comercializado pela Volkswagen é a picape Amarok, que desde 2010 teve 83.890 unidades vendidas no país. Oficialmente, a Volks informa que não há carros no Brasil com esse software. 

França e Reino Unido afirmaram que farão testes para descobrir se os veículos nesses dois países contêm softwares do tipo usado pela Volkswagen nos EUA para enganar testes de emissões de poluentes. A Comissão Europeia instou seus 28 países-membros a iniciar investigações próprias sobre o caso. 

A fraude nos controles de emissão da Volkswagen pode ser responsável por um volume extra de um milhão de toneladas de poluição no ar por ano, volume praticamente igual à soma de emissões de todas as usinas de energia, veículos, indústria e agricultura do Reino Unido, estimou nesta quarta-feira o “The Guardian”, apoiado em análises.
O escândalo custou o emprego do presidente da companhia alemã, Martin Winterkorn, que renunciou na quarta-feira.
 
O Globo
Postado em 25 de setembro de 2015 - 17:21h

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *