O Comunicador

PR rompe e completa isolamento político de Rosalba

O PR realiza encontro nesse momento no Versailes Recepções, pelo tom
dos discursos e postura do Presidente e Deputado Federal João Maia, está
claro que o partido vai romper mesmo com o Governo Rosa.

Com a decisão do PR de deixar a base de sustentação política do
governo estadual completou-se o isolamento da governadora Rosalba
Ciarlini. Depois de perder o apoio do PMDB e do grupo do deputado
Ricardo Motta, que assumiu o controle do PROS, Rosalba perde o PR  e
agora já não tem sequer o apoio integral do seu partido, o DEM.
A decisão do PR já era esperada há algum
tempo mas Rosalba (leia-se Carlos Augusto Rosado, seu marido, chefe do
Gabinete Civil e mentor político do grupo) convidou a ex-prefeita
Shirley Targino, de Messias Targino, para ser titular da pasta da
Assistência Social. Embora tenha sido uma escolha pessoal de Rosalba,
Shirley ajudou a manter o PR no governo mas não conseguiu evitar a
decisão do rompimento.


O enfraquecimento político da governadora, o
rompimento do PMDB e o desejo do PR de se coligar com o partido do
deputado Henrique Alves contribuíram para a decisão do deputado João
Maia. Há tempos, João Maia e Henrique firmaram um acordo para caminharem
juntos nas eleições do ano que vem.

Sem o PMDB, PR e PROS, Rosalba e seu grupo terão sérias dificuldades para participar das eleições do ano que vem.

Carlos Augusto Rosado anunciou que Rosalba Ciarlini será, sim,
candidata à reeleição. Vai às ruas e à televisão para defender o seu
nome do linchamento em que uma campanha sem sua participação se
transformaria.

No entanto, para ser candidata, Rosalba, que tentou desembarcar do
DEM meses atrás, precisa do senador José Agripino, presidente do
partido, para ser candidata. Embora seja candidata natural, Rosalba
precisa ter o nome aprovado em convenção pelo DEM para disputar a
reeleição.

Como José Agripino, com quem Rosalba já não fala há algum tempo,
pretende priorizar a renovação do mandato do filho, o deputado Felipe
Maia e sua base na assembleia legislativa, a candidatura da governadora
ainda não é uma certeza.

Para ser candidata, Rosalba e Carlos Augusto precisarão convencer
José Agripino. E se conseguir essa façanha, vão ter que montar uma
aliança partidária. E os partidos à disposição são poucos. Restaram o
PP, que Betinho Rosado tomou de Ricardo Motta, o PTB controlado por
Benito Gama e presidido no estado pelo secretário Aldair da Rocha e o
PSC, também controlado por Betinho e que tem hoje o ex-vereador Adenubio
Melo na Presidência.

Com está aliança, Rosalba garante tempo de televisão, mas não garante voto. Vai ter de se defender praticamente sozinha.
Fonte: BG
Postado em 22 de novembro de 2013 - 17:57h

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.