O Comunicador

Jovem suspeita de assassinato revela vida no mundo das drogas

A jovem Ayla Carla Inácio do Nascimento, de 20 anos, suspeita de
matar com um golpe de faca o ex-companheiro, identificado como Gaspar
Anacleto, de 40 anos, já se encontra no Centro de Detenção Provisória
feminino de Parnamirim. O crime, que ocorreu na manhã desta sexta-feira
(29), chocou a todos que passavam pela avenida Nilo Peçanha, no bairro
de Petrópolis.
Após cometer o assassinato Ayla se entregou a polícia pedindo
inclusive que fosse algemada e presa, declarando em alta voz que matou
para se defender. Na delegacia, antes de ser conduzida para o CDP, a
moradora de rua conversou com a reportagem do Portal BO revelando sua vida nas drogas e o que realmente motivou o assassinato.
PortalBO – Ayla, de onde partiu e por que a ideia de matar o seu ex-companheiro?
Ayla – Eu não tive ideia de matar Gaspar, foi ele
que me ameaçou caso eu não reatasse o nosso caso. Hoje, ele chegou com
uma faca na cintura me gritando e me pedindo pedra (crack), mas eu não
tinha, por causa disso ele me deu um tapa e acabamos brigando.
Portal BO – Você consome drogas?
Ayla – Sou viciada em crack desde os meus 12 anos.
Nunca quis nada de ninguém, mas tudo que eu apuro nos sinais e pedindo é
para comer e para fumar pedra. Na rua tem muito “noiado” (sob efeito de
drogas) dando uma de bom menino pobre.
Portal BO – Então você matou ele por causa de drogas?
Ayla – Não. Depois de me bater no rosto por que eu
não tinha pedra, ela saiu e voltou mais tarde ainda armado com a faca,
desta vez “noiado” e querendo me furar. Ele veio em minha direção e
tentou acetar um golpe de faca em mim, eu me afastei e consegui tomar a
faca da mão dele e acertá-lo no peito.
Portal BO – O que você fez depois de acertar ele com um golpe de faca?
Ayla – (risos), eu disse: Morre miserável!!!!
Portal BO – Então você queria vê-lo morto?
Ayla – Eu queria me livrar dele, mas não daquela
forma. A morte foi ele quem procurou. Você não sabe como esse homem
vinha me perturbando, ele queria viver comigo, mas na verdade só fazia
levar minhas pedras e arrumar confusão.
Portal BO – Você tem consciência que será autuada por homicídio e poderá viver muitos anos na cadeia?
Ayla – Tenho, mas a vida é assim mesmo. Vou pagar
minha cadeia e depois eu estou solta de novo. O que eu nunca vou querer é
alguém me fazer algum mal, isso não.
Depois de questionada a jovem acusada pediu para um agente folgar as
algemas que, segundo ela estavam apertadas. Em seguida Ayla pediu água e
se manteve em silêncio.
Fonte: Portal BO
Postado em 31 de março de 2013 - 1:03h

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *