O Comunicador

Projeto da Universidade do Seridó será entregue a Dilma dentro de 30 dias

Um projeto que será elaborado dentro de 30 dias com o apoio da UFRN e
entregue à presidenta Dilma Roussef e ao Ministro da Educação, Aloizio
Mercadante, quando os dois vierem ao RN, no próximo mês, foi uma das
principais deliberações da audiência pública que discutiu a criação da
Universidade do Seridó. O debate foi realizado na manhã de hoje (18), na
Assembleia Legislativa, por iniciativa do deputado Nelter Queiroz
(PMDB) e reuniu as maiores lideranças políticas do Estado, além de
prefeitos e vereadores das 23 cidades da região.

“Avalio positivamente, como um evento muito importante, porque uniu toda
a classe política e partidos do nosso Estado, desde o Democratas, até o
Partido dos Trabalhadores e também pela imprescindível participação da
universidade. Temos presa nesse sonho”, disse Nelter, referindo-se à
grande participação da bancada federal do RN.

Além da presença maciça da classe política, o debate teve a participação
do arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha e da
reitora da UFRN, Ângela Paiva. Estiveram presentes a governadora Rosalba
Ciarlini (DEM), senador José Agripino (DEM), presidente da Câmara,
deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB); deputados federais Betinho
Rosado (DEM), Fátima Bezerra (PT) e João Maia (PR), além dos deputados
estaduais. O prefeito de Caicó, Roberto Germano (PMDB), representou os
gestores municipais da região. Todos os presentes endossaram seu apoio
ao projeto da Universidade do Seridó, se comprometendo com a causa.

O presidente da ALRN, Ricardo Motta (PMN) disse que o pleito é justo: “O
Seridó merece e precisa ampliar a oferta de vagas no ensino superior”.
Todos os parlamentares presentes se comprometeram em apoiar a
reivindicação de uma das regiões que, no campo da Educação, já foi em
outras décadas uma referência, inclusive para o Nordeste, como bem
lembrou o monsenhor Ausônio Tércio de Araújo, professor da UFRN e
diretor do Colégio Diocesano Seridoense há vários anos.

Henrique Eduardo Alves propôs uma forma prática de argumentação junto ao
governo federal: fazer um levantamento na região Nordeste acerca do
quantitativo da expansão dos campi federais nas capitais e cidades pólo.
“Esta é uma das lutas mais difíceis, mas ocorre na hora em que a
bancada federal do RN é uma das mais qualificadas na Câmara. O que nos
falta ainda é nossa unidade e essa luta, por mais difícil que seja, pode
se tornar uma breve realidade”, afirmou.

Tradição

“Queremos ser uma luz para o semi-árido e a universidade é a grande
alavanca de ajuda. Nossa vida sempre esteve ligada à educação. Nossa
força foram as pessoas que saíram das escolas, depois vieram os
ginásios. A educação é decorrente da nossa cultura e é claro que
queremos uma universidade com todos os requisitos do MEC e com a
experiência da UFRN”, disse monsenhor Tércio, com argumentos endossados
pelo padre João Medeiros Filho, ele também um especialista em educação,
que por sua vez relembrou os tempos de instalação do Centro Regional de
Ensino Superior do Seridó (CERES), do qual fez parte.

Toda a bancada federal manifestou apoio ao projeto de uma universidade
federal para o Seridó e a deputada Fátima Bezerra (PT) trouxe números
otimistas quanto à expansão do ensino técnico e superior. No caso da
educação profissional, de 2005 a 2010 o governo implantou 19 escolas
técnicas no Estado. O Plano Nacional de Educação está prestes a ser
aprovado e o governo trabalha com a meta de ampliar dos 14% para 30% o
acesso dos jovens ao ensino superior. No Nordeste o índice é de apenas
7%.

“Havemos de convir que podemos fazer algo pelo Seridó. É uma região
emblemática e ciente dos seus desafios e agora quer encontrar um novo
caminho que realmente seja atual, que eleve seus maiores projetos
econômicos para a sua sobrevivência”, disse Dom Jaime.

Projeto de Lei

A governadora Rosalba Ciarlini citou um Projeto de Lei de sua autoria,
aprovado no Senado (PL 2512/2007), propondo a criação de uma
universidade para o Seridó. O projeto no momento se encontra na Comissão
de Constituição e Justiça da Câmara: “Mossoró prosperou bastante e a
universidade tem participação nesse processo. Se conseguirmos ter mais
uma universidade, queremos pelos caminhos da educação poder desenvolver o
Seridó”, disse.

A reitora Ângela Paiva se comprometeu a dar apoio ao projeto: “Essa luta
se alia com nossos princípios. A educação é o vetor principal para o
desenvolvimento e uma qualidade de vida melhor, irradiando soluções para
os problemas de qualquer região”, disse

Assessoria de Comunicação da ALRN
Postado em 19 de março de 2013 - 12:13h

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *