20 de março de 2018

'Família desestruturada', diz filho de mulher morta pelo ex-marido com 14 facadas em Natal

"É um momento muito difícil, que nunca imaginei que pudesse acontecer com minha família. A família está desestruturada, horrorizada", afirmou na tarde desta terça-feira (20), o assistente de serviços gerais Luan Melo. Ele é filho de Isolda Claudino de Almeida e José Cândido de Melo, que eram separados. 

O homem matou a ex-companheira com 14 golpes de faca nesta segunda-feira (19). Chocado com o crime, o filho da vítima e do suspeito afirmou que espera Justiça. De acordo com a ele, a mãe já vinha sofrendo ameaça há muito tempo, mas os filhos do casal não acreditavam que o paifosse capaz de um ato como esse. O homem havia sido denunciado e foi ouvido pela Delegacia da Mulher uma semana antes do crime. 

"Ele sempre ameaçava, mas a gente não acreditava que ele pudesse fazer. De um ano pra cá começou a piorar, ele estava decidido a fazer isso", considerou o homem, que tem mais três irmãos. "Quero que a Justiça seja feita, que ele pague pelo que fez, porque minha mãe era uma mulher trabalhadora, não merecia isso", declarou. 

"A família está toda abalada", concluiu. Durante a manhã desta terça-feira (20), José Cândido foi levado pela polícia ao Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), onde passou por exames de corpo de delito para ser encaminhado a uma unidade penitenciária. O crime O crime aconteceu no fim da tarde desta segunda-feira (19), na Zona Norte de Natal. O suspeito do assassinato foi preso em flagrante no local do crime. 

O homem não aceitava a separação. De acordo com a polícia, Isolda Claudino de Almeida desceu do ônibus na Avenida João Medeiros Filho e seguia para a residência onde morava, na direção da região de mangue do bairro Potengi. No caminho, foi surpreendida por José Cândido de Melo, que a esperava para matá-la. O homem desferiu 14 golpes de faca na ex-companheira. A polícia informou que Isolda foi atingida em órgão vitais. 

As facadas acertaram o peito, a barriga, o pescoço. Ela ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. Pessoas que passavam pelo local e presenciaram a cena renderam o homem e tentaram espancá-lo. A polícia foi acionada e prendeu José Cândido, que foi conduzido inicialmente ao hospital, com um ferimento no braço, e depois levado para a delegacia. A irmã da vítima, Iná Claudino, conta que há um ano Isolda havia se separado do acusado. Porém ele não aceitava a situação, e a ameaçava. 

Iná Claudino disse ainda que, em outra oportunidade, o homem ateou fogo em móveis e na casa em que vivia a irmã dela. A polícia foi procurada, contudo José Cândido de Melo permaneceu em liberdade. O casal tinha quatro filhos. Medidas protetivas O suspeito já tinha sido denunciado pela ex-mulher neste ano. Responsável pela Delegacia da Mulher, a delegada Ana Alexandrino Gadelha confirmou nesta terça-feira (20) informou que um boletim de ocorrência foi registrado e um pedido de medidas protetivas foi encaminhado para a Justiça, que concedeu o pedido. 

Ainda de acordo com a delegada, José Cândido ainda prestou depoimento na última quarta-feira (14) e foi alertado pela polícia quanto às medidas. Para a delegada, a polícia cumpriu todas as diretrizes previstas pela Lei Maria da Penha, que combate o feminício de demais crimes contra a mulher. Ela lamentou o crime. 

*G1/RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário