1 de setembro de 2017

Correios defende parceria com municípios para garantir vigilância nas agências

Uma alternativa levantada pelo representante dos Correios foi que ocorresse parceria entre os municípios com a estatal para que houvesse uma contrapartida ou custeio desses gastos com vigilância. Caso não seja possível, de acordo com ele, a tendência é que os Correios não tenham mais condições de manter os serviços dos bancos postais. 

 “Até o dia 11 de outubro vamos manter os vigilantes em parte dessas agências, que é o caixa que possuímos para o custeio. Os Correios discutirão com o Banco do Brasil, que é responsável pelo serviço de banco postal, se será mantido o contrato”, explicou Marconi Edson. 

 O secretário-geral do Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares, José Rivaldo da Silva, disse que os profissionais dos Correios estão temerosos com a situação e cobram a manutenção dos serviços. Para ele, não é possível se justificar a crise para o fechamento dos bancos postais, já que há o interesse social e é importante para a população. Por isso, ele cobra a pressão por parte da classe política. “Para a gente conseguir manter a agência aberta, é interessante falar com os parlamentares para cobrar e pressionar o presidente dos Correios. Se não houver pressão popular para manter esse e outros serviços, estamos fadados a ver várias agências fechadas e acabar o comércio em várias cidades, que é um dos reflexos”, disse José Rivaldo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário