31 de outubro de 2016

Veneno de uma das cobras mais mortais pode servir de analgésico

A coral azul possui a maior glândula de veneno entre as cobras – Tom Charlton 

 A Calliophis bivirgata, conhecida como cobra coral azul, é uma das serpentes mais mortais do mundo. Ela possui um veneno único, que envia um choque intenso ao sistema da vítima, provocando espasmos em todo o corpo por disparar todos os nervos de uma vez. A descoberta do modo de ação da toxina foi descrita pelo pesquisador Bryan Fry, da Universidade de Queenland, na Austrália. Dependendo da quantidade, o veneno pode matar um ser humano, mas, ironicamente, talvez possa ser usado como um poderoso analgésico. Esse estilo de veneno, único entre as serpentes, é resultado de uma adaptação evolutiva. A coral azul, que habita alguns países do sudeste asiático, é descrita por Fry como a “matadora das matadoras”. 

Sua dieta preferida inclui outras cobras venenosas, então toda caça é um jogo de vida ou morte. — Elas são especializadas em caçar outras cobras venenosas, incluindo jovens cobras reais — disse Fry. — Com sua combinação de listras azuis e cabeça e cauda vermelha, a coral azul é sem dúvida uma das espécies mais marcantes de cobras. Ela também tem as maiores glândulas de veneno do mundo, que se estendem por mais de um quarto do comprimento do corpo. O pesquisador explica que, normalmente, o veneno das cobras demora a agir. Mesmo entre as serpentes mais venenosas, pequenos roedores morrem alguns minutos após a injeção das toxinas. A coral azul possui uma estratégia diferente. Após a mordida, a presa fica viva, mas é paralisada imediatamente. Segundo Fry, a ação da toxina é similar ao de algumas espécies de escorpiões e do molusco marinho Conus. — Alguns animais fazem com que os nervos da presa fritem, por causa de um choque intenso no sistema nervoso. 

O Conus paralisa instantaneamente um peixe, tensionando todos os músculos num espasmo. Isso evita que o peixe fuja do caramujo imóvel — explicou Fry. — Agora nós mostramos que existe uma cobra que mata da mesma forma. Apesar da rápida ação, o veneno não mata imediatamente, diz o pesquisador. Em vez disso, ele liga todos os nervos da ágil presa ao mesmo tempo, resultando num estado de paralisia instantâneo. A toxina age de forma a prevenir que os nervos possam desligar seus canais de sódio, fazendo com que eles fiquem ativos continuamente. — Esse veneno atinge um tipo de canal de sódio particular que é importante para o tratamento da dor em humanos — disse Fry. — Esta é outra na longa lista de descobertas úteis de venenos que podem beneficiar a saúde humana. 

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário